quinta-feira, 19 de agosto de 2010

500 jogos do Santo!


Hoje o goleiro Marcos completa 500 jogos pelo Palmeiras e o jornalista Mauro Beting fez uma justa homenagem ao Santo do Palestra Itália em seu Blog.


Por Mauro Beting - SÃO PAULO

Quinhentos Marcos no Palmeiras. Bastava uma partida só para o Marcos Roberto de Oriente distante ficar feliz e deixar a mãe Antonia orgulhosa como milhões de palmeirenses com seu anjo-guardião. Nesta quinta, contra o Vitória da maior derrota dele, em 2003, Marcos faz o jogo 500. Festa merecida por tudo. E mesmo se fosse por nada, tanto faz. Tanto fez Marcos que um bolo deveria ser cortado a cada bola que ele salvou, desde 1992.

Era para Marcos já ter superado há mais tempo essa marca. Mas lesões e fraturas marcaram ossos e músculos. Numa das tantas, Marcos caiu no dérbi vencido contra o rival, em 2006. No dia seguinte, quase mil mensagens de corintianos na comunidade alvinegra no Orkut não deixavam dúvida. Ele não é só um ídolo campeoníssimo pelo Palmeiras, e campeão do mundo pelo Brasil. É uma pessoa querida. A maior conquista num futebol de ídolos de barro, aos berros ou por birra.

São Marcos não é santo. Erra como qualquer outro. Mas os erros dele são mais humanos. Ele erra de tanto querer acertar, de tanto se irritar com quem não quer jogar quebrado - como ele jogou na Libertadores-00, com o pulso aberto para defender aquele pênalti de Marcelinho. Ele é um que lutou mais e vibrou mais com um título de Segundona em 2003 que com um título mundial em 2002. Quando festejou em Brasília no trio elétrico com a camisa verde que nunca pôde usar como goleiro. Mas que talvez tenha usado melhor que qualquer jogador da linha de raça palmeirense.

“Marcos” é palavra no plural, mas esse Marcos é singular. Único. Poderia se chamar Marco. Maiúsculo, mesmo, que Marcão é enorme. Marco que é referência que merece toda a reverência. Pelo que é, pelo que cata, o Marcão tem mais é de ser Marcos. Porque é um que joga por 11. Ou pelos tantos camisas 12 espalhados pelo estádio, espelhados nele. O camisa 12 número um da história palmeirense.

Ele até pode não ser o melhor em 96 anos da academia de goleiros do Palestra. Mas não conheço alguém melhor para defender seu time como Marcos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário